Papo com o CEO: Empreender em tempos de crise

24/09/2021

8min

Nosso CEO dá dicas para empreendedores de como manter ou iniciar um negócio durante períodos de economia em baixa.  

A pandemia da Covid-19 foi uma das maiores crises enfrentadas nas últimas décadas, e a economia brasileira sentiu seus efeitos. Isso levou muita gente que perdeu o emprego ou teve os rendimentos reduzidos a buscar formas de empreender durante a crise, e fez com que empresários tivessem de reduzir custos e se reinventar. 

Mas por outro lado, uma crise na economia pode ser uma aliada do empreendedor se ele buscar soluções traçar planos e metas de acordo com a realidade. 

Abaixo você acompanha uma entrevista com o CEO da CotaBest Solutions, Vanderlei Eduardo Bertoletti Junior:  

Redação: Com sua experiência como empreendedor de negócios locais, quais as principais dificuldades de que tem um negócio em períodos de crise como a provocada pela pandemia do Coronavírus? 

Vanderlei Junior: Normalmente as empresas de pequeno porte, que são gerenciadas pelo próprio empreendedor, ficam sem capital de giro pois não têm o hábito de trabalhar dessa forma, prevendo declínios no faturamento, sejam eles bruscos ou graduais. Por isso, uma educação financeira antes de montar qualquer negócio, e durante a administração dele, é muito importante.  

Redação: Como manter as contas em dia, e principalmente, garantir que o atendimento e a qualidade do serviço sejam mantidos mesmo diante de possíveis cortes de gastos? 

Vanderlei Junior: É muito importante não utilizar o dinheiro do caixa da empresa para despesas pessoais, isso mantém o caixa saudável. Evite na medida do possível tomar empréstimos, porque muitas vezes os juros são altos o que dificulta o pagamento e pode gerar mais dívida. 

Nesse ponto, vale ressaltar que existem linhas de crédito focadas no empreendedor, com juros e taxas mais baixas que dos bancos ou modelos de empréstimos tradicionais. 

Outra forma de se manter um negócio durante a crise é entender o perfil do cliente. Por exemplo durante a pandemia, o empreendedor deve buscar outros canais para conseguir acessar os clientes, mantendo a recorrência de compra sem correr riscos. Por isso vale investir em delivery, lives em redes sociais, e-commerces, marketplaces, vendas pelo WhatsApp etc.  

Redação: Quais gastos devem ser revistos, cortados ou ajustados? 

Vanderlei Junior: Devemos começar pelo espaço físico e observar se ele se tornou ocioso, então o primeiro passo, se não tiver expectativa de retomada, é tentar uma renegociação do aluguel. É importante frisar que o espaço físico só faz sentido se ele gera receita. 

Outro ponto é economizar energia ao máximo, ou então outros gastos que não se fazem necessários ou que podem ser substituídos e até eliminados por um período. Vale a pena também avaliar a mão de obra necessária para esse novo momento, e buscar se adequar, remanejar responsabilidades, sem ter que demitir. Por exemplo, um garçom vira entregador por um tempo, um caixa ajuda na cozinha ou no recebimento de pedidos. 

Por último, se beneficiar de ferramentas que o governo local ou em âmbito nacional disponibiliza como a redução de algum imposto, ou algum outro subsídio.  

Redação: Tem como não repassar a alta de custos para o consumidor final? Até que ponto isso é possível mantendo uma margem de lucro? 

Vanderlei Junior: Depende de quais custos podem ser repassados, se forem custos CMV (Custo de Mercadoria Vendida), automaticamente esse preço tem que ser repassado, por sazonalidade ou inflação e isso é absorvido naturalmente no mercado pelos consumidores. Se forem custos fixos ou estruturais, é preciso reavaliar se não estão mal alocados antes de lesar os clientes.  

Redação: É possível iniciar um novo negócio em meio a uma crise com reflexos na economia? 

Vanderlei Junior: Com certeza, é durante a crises que temos as melhores oportunidades, todo novo negócio deve nascer de uma dor. Qual dor você quer resolver? Qual público você quer atingir? Esse público topa pagar por isso nessa situação? 

Mas também é preciso analisar a região, como no caso de empresas de alimentação. Qual diferencial com a concorrência sua empresa tem? Qual perfil de cliente quer atingir? Tudo isso aliado a um bom planejamento com caixa e capital de giro, até que o negócio se torne rentável.  

Redação: Qual a dica que você dá para quem está enfrentando uma crise interna com seu negócio como reflexo da atual situação econômica? 

Vanderlei Junior: Se tudo citado anteriormente já foi feito e mesmo assim a situação econômica da empresa não apresenta melhoras, é porque o mercado mudou então eu vejo duas alternativas. 

Se a empresa deixou de ter lucro e começou a dar prejuízo, a primeira opção é pivotar o negócio e transformar em um novo, no mesmo setor ou em outro mediante uma nova dor ou oportunidade. E a segunda opção infelizmente é fechar, e nesse caso vale reavaliar o modelo. Pode ser que o modelo não absorva mais a solução apresentada porque o mercado tem uma nova necessidade.  

Redação: Mais alguma coisa que acredita que vale a pena abordar?  

Vanderlei Junior: Eu sempre falo que a primeira coisa que o empreendedor tem que pensar é que de imediato ele não pode viver do seu novo negócio. Caso você tenha uma outra fonte de renda, não saia dela, exceto que o salário que você vai pagar para um colaborador seja maior do que o que você ganha no seu trabalho atual. E mesmo assim você terá que estar disposto de viver com o mesmo salário. Caso você não tenha outra fonte de receita, só vale a pena viver do seu negócio se você puder viver com o mesmo valor que um funcionário de mercado ganha para exercer a função que você vai exercer nessa empreitada. 

O ideal é administrar esse negócio por fora, seja nas horas vagas ou aos fins de semana, até que ele seja rentável. Outra possibilidade é você já ter uma reserva de emergência que possa te manter sem depender dos rendimentos dessa empresa por um período suficiente para se obter retorno. Aí vale um estudo de mercado também. 

 

Deixe uma resposta

0 comentários

Ler depois

Compartilhar